Uma história quase esquecida – Parte II

Meus avós tinham dois filhos, minha tia Beatriz, na época, com 16 anos e meu pai, Michael, com 12 anos.

Havia muitas famílias com crianças e adolescentes e era necessário educá-los, mesmo que informalmente. Então os alemães, organizaram-se da seguinte maneira: num determinado dia da semana, todas as crianças iam de charrete ou a cavalo à casa de um alemão engenheiro, onde passavam o dia inteiro aprendendo matemática. No dia seguinte, iam à casa de um alemão que já estava aqui havia mais tempo para aprenderem bioquímica. E assim por diante. Um dia era na casa da minha avó, que dava aulas de canto e de piano.

E, assim, as crianças foram sendo instruídas.

Meu pai nunca fez faculdade, era autodidata. Falava seis línguas e era um profundo conhecedor de história. Foi a pessoa mais culta que já conheci.

Na minha infância, lembro que minha avó fazia em sua casa um concerto para piano a cada vez que fazia aniversário. E esse concerto ela fazia de modo muito criativo.

A cada aniversário, ela escolhia um compositor, por exemplo: Mozart, Schubert, Chopin, Beethoven ou outro, e então ela contava um pouco da vida do compositor e ia tocando o piano. Exemplificando, digamos que ela estivesse homenageando Beethoven.

Ela começava contando onde ele havia nascido, em que data e alguma curiosidade de sua vida, daí dizia: “E sua primeira sonata foi esta, e tocava a sonata ao piano”.

Então ela continuava: “E quando Beethoven se apaixonou a primeira vez, compôs esta música para sua amada”, e aí ela tocava a música. “A música que o tornou famoso foi esta…” E seus dedos corriam lépidos pelas teclas do piano. E assim por diante… O concerto durava cerca de uma hora e meia e prendia a atenção de todos os convidados que se espremiam na sala e na varanda da casa da minha avó.

No próximo aniversário dela, tudo se repetia, porém com outro compositor.

Tenho muita saudade dos tempos em que convivi com meus avós. E, curiosamente, tenho saudade também do tempo anterior, que não convivi. É uma nostalgia inexplicável…

Dr Jonathan Traumann – médico anestesiologista – CRM 8228-PR